Esse post foi escrito pela equipe do Preço Certo, empresa especializada em precificação de produtos e indicadores financeiros e parceira da Bertholdo.

Vital para a saúde financeira de qualquer empresa, a precificação de seus serviços e produtos pode ser a diferença entre crescer de forma saudável e lucrativa ou perder investimentos e sair do mercado. Afinal lucratividade e competitividade são termos nos quais não se pode falhar na atual conjuntura do mercado. 

Aqui com nossa ajuda você entenderá de forma simples e rápida, como funciona este processo. Esperamos auxiliar e sanar suas dúvidas.

Precificação de produtos: o que é e como simplifica-la

Por que é essencial precificação de produtos? 

Nosso assunto aqui é o processo de precificação e para isto você deverá entender o quão importante ela é, para desta forma valorizar sua aplicação.

Então, antes mesmo de explicar o que é precificação, precisamos te dizer o quão ela é importante para seu negócio.

Pode parecer estranho, mas sim, a precificação é um processo. Não é simplesmente somar, subtrair, multiplicar ou dividir, ela realmente é um processo complexo que você deve utilizar para criar o seu preço certo. E todo este processo deve estar sempre sobre total vigilância.

Assim como você, o seu concorrente também possui custos, comissões, impostos, taxas de cartão de crédito, débito, pagamentos que ocorrem à vista, pagamentos a prazo. Garanto que eles estão extremamente vigilantes sobre o processo de precificação.

No final do mês esta poderá ser a diferença entre ficar no azul ou vermelho.  

O que é precificação? 

Precificação é estratégia. É a rotina para manter os preços conforme as metas estipuladas para o crescimento. Realizando um contraponto com a concorrência.

O que se leva em consideração na precificação eficiente de produtos?

  • Custo
    “Segundo a definição custo é  1.Esforço, trabalho empr. na produção de bens e serviços. 2.p.ext.Esforço que se emprega com o fito de se obter algo.”
    O custo deve ser analisado desde a concepção do produto até a entrega ao consumidor final. Claro que isto envolve as análises completas dos impostos, frete, mão de obra direta e indireta, embalagens, brindes e até mesmo descontos promocionais.
    Caso tenha alguma dúvida em como formar o custo de seu produto, baixe a planilha de Custos de Produto e certifique-se que está com o custo correto.
  • Impostos e Comissões
    “Segundo a definição imposto é 1.Que se impôs; colocado, posto. 2.Que se obrigou a aceitar ou a realizar. 3.Contribuição monetária devida por pessoas físicas ou jurídicas ao Estado; tributo, ônus.”
    Comissões, bônus e prêmios que pagamos aos nossos vendedores ou representantes, assim como marketplaces e demais canais de venda influenciam diretamente em nossa precificação. Além é claro da quantidade e valor dos impostos e taxas que as empresas brasileiras são obrigadas a pagar aos governos municipais, estaduais e federais.
  • Taxa de Cartão de Crédito/Débito/Antecipação de Recebíveis
    Além das comissões, é muito importante levar em consideração o quanto de taxa pagamos para as  administradoras de cartão e métodos de pagamento.
  • Concorrência
    “Segundo a definição concorrência é 1.Ato ou efeito de concorrer. 2.Ato ou efeito de disputar a primazia com outra(s) pessoa(s) ou coisa(s); competição, disputa.”
    Por mais que o preço deva ser formado analisando a sua estrutura de custos e lucro desejado, é importante estar de olho na concorrência para ter preços competitivos de forma a garantir suas vendas. Hoje, graças a internet e aplicativos, todo cliente está o tempo todo fazendo pesquisa de onde pode encontrar uma melhor condição de venda ou um desconto mais interessante antes de fazer sua compra.
    A concorrência dentre outros fatores, tem o poder de mover os preços de nossos produtos para cima ou para baixo, conforme ajustes mercadológicos por demanda. Não apenas a meta de lucro e custos.
    O consumidor hoje em dia tem como arsenal uma vasta gama de aplicações e aplicativos que realizam busca pelas melhores condições e descontos para uma compra. Isto também influencia diretamente na precificação.

Posso tornar esse processo mais simples?  

Para conseguir o preço certo na sua precificação de produtos, algumas estratégias merecem ser citadas aqui. Pois cada uma delas demanda ajustes conforme o tipo de negócio, sazonalidade, quantidade de estoque, estações do ano, datas especiais e etc.

Para tornar mais simples seu entendimento, separamos algumas técnicas diferentes:

#1 Markup

Consiste na análise dos custos relacionados a produção, venda, atendimento, distribuição e publicidade de um produto acrescido da margem de lucro que se deseja obter. É a mais simples técnica. Alternativa para falta de conhecimento de gestão gerencial, e representa um grande risco ao empresário, pois não necessariamente um produto com um markup de 2x representa 50% de lucro no fim da venda. Muitas vezes é bem menos que isso.

#2 Valor percebido

Nesse modelo de precificação de produtos, apelamos para precificar mediante ao PREÇO que o cliente vê baseado no valor que agregamos no produto comercializado. Quando um produto ou serviço atende as expectativas e necessidades do consumidor, ao satisfazê-lo é possível estabelecer um elo de confiança e uma maior valorização do preço de venda. Existem diversas formas que o valor percebido pode impactar diretamente o preço de seu produto como: marca, atendimento, bom design, embalagem diferenciada. Muitas vezes é arriscado pois não necessariamente seu cliente pode aceitar o preço fornecido sem antes sua marca ter a devida notoriedade para justificar o mesmo.

#3 Análise da Concorrência

Um modelo muito usado por lojistas é a precificação baseada em concorrência. Identificar o preço do concorrente e equiparar ou praticar um preço inferior. De todas as práticas de precificação, é a mais arriscada – uma vez que você pode acabar vendendo produtos no prejuízo. É muito importante, não só na análise de concorrência, mas no markup e valor percebido, aplicar o conceito da proxima técnica: a margem de contribuição.

#4 Margem de contribuição

A margem de contribuição é a mais recomendada técnica para formação de preço. Ela determina o quanto “sobra”, dentro do custo de venda, após serem descontados custos e despesas variáveis.

Mas como se calcula? A fórmula básica é Margem de contribuição = Valor de venda – Custos e Despesas variáveis diretas do produto (impostos, comissões, taxas). Ou seja, o lucro real da venda do produto.

É o melhor método flexível para formação de preços, pois permite que altere sua margem em períodos competitivos mas que ainda cobre custos. Caso queira conhecer melhor essa fórmula, desenvolvemos o Guia Completo de Formação de Preços no Varejo que você pode baixar gratuitamente. 

Como simplificar a precificação de produtos? 

Boa parte das empresas faz esse processo de precificação de produtos em planilhas e escolhe uma das técnicas como padrão. O Preço Certo é uma plataforma de formação de preços e análise de indicadores financeiros para seu negócio. Descubra e defina seus preços de maneira competitiva e lucrativa, analisando o impacto deles nos principais indicadores financeiros da sua empresa com nossa plataforma: http://www.precocerto.co/

Postado originalmente no Blog do Preço Certo em 20/07/2017.

(Visited 458 times, 1 visits today)