Em 2019, a Black Friday será no dia 29 de novembro (quarta sexta-feira de novembro e praticamente um mês antes do Natal). De fato, a mudança de data não ocorreu. Apesar de toda a polêmica, a Black Friday não mudou para setembro. 

Em 2017, uma polêmica tomou conta dos canais de comunicação que falam sobre economia e mercado: a data da Black Friday mudaria para setembro. Quais os motivos das empresas que defendem essa mudança? Vamos saber!

De toda forma, vale ler e entender os prós e contras da mudança. Mesmo sendo bem nítido que a data da Black Friday não será alterada.

Setembro é o único mês do ano que não tem uma data promocional no varejo. Para preencher essa lacuna, foi criada a Semana do Brasil.

Vale a pena entender como isso pode impactar o seu negócio. Planeje promoções e descontos tanto para setembro quanto para novembro. 

Black Friday: setembro ou novembro?

A data da Black Friday

A Black Friday é uma das principais datas para o varejo online e offline. Todos os anos, em Novembro, clientes esperam as megas promoções para comprar itens que vão de eletrodomésticos à moda e perfumaria.

A Black Friday foi criada nos Estados Unidos. Muitos países “importaram” o dia de descontos. No Brasil, a primeira edição aconteceu no dia 28 de novembro de 2010 e foi somente com promoções online.

Tradicionalmente, a Black Friday ocorre na sexta após o dia de Ação de Graças. A quinta é uma tradicional data religiosa americana em que as pessoas celebram a gratidão por tudo de bom que aconteceu durante o ano.

De forma muito prática, a data da Black Friday é a última sexta-feira do mês de novembro

O esforço de planejamento e marketing dos lojistas costuma começar ainda no segundo trimestre do ano. Os consumidores também iniciam suas pesquisas semanas antes.

Fato interessante é a dificuldade de alguns internautas ao escrever o termo em língua estrangeria. Em 2018, o Google recebeu volumes significativos de pesquisas com termos como: blak flayd 2018, blak flayd lojas 2018 e que dia é o break friday 2018.

Por acontecer próximo às festas de final de ano, muitos empresários do setor acusam a Black Friday de roubar as vendas do Natal. Afinal, com os preços no chão, os consumidores adiantam suas compras e gastam menos nas datas festivas de dezembro.

Em 2015, as vendas natalinas respondiam por 34% dos negócios feitos por grandes varejistas brasileiros. Apenas um ano depois, a Black Friday absorveu 38% das vendas, enquanto a participação do Natal caiu para 29%.

A solução que muitos encontraram foi alterar a Black Friday para Setembro, já que esse mês seria tido como morto e com poucas vendas. E, vamos combinar: um período com atração zero para a chamada de promoções.

Mas, será que essa é a saída? Veja os prós e contras da Black Friday acontecer em Setembro e não em Novembro.

Agora, se você é lojista do comércio eletrônico, não deixe de conferir nossas super dicas para vender mais na Black Friday.

Os prós da Black Friday mudar de Novembro pra Setembro

De acordo com algumas associações como a Alshop, Abrasce e ABF, mudar a Black Friday para distanciar do Natal, evitaria a queima de margens desnecessárias. Isso porque, em Novembro, os consumidores comprariam grandes volumes de mercadorias de qualquer maneira.

Segundo os levantamentos, o impacto negativo, em relação ao Natal, foi sentido nos anos de 2015 e 2016, quando a Black Friday se sobressaiu.

Para muitos, a promoção acontecer em Novembro faz com que os brasileiros entrem em Dezembro com a ‘cabeça de desconto’, já esperando que as varejistas prossigam com os descontos nas vendas. 

E será que a falta do décimo terceiro, que começa a ser pago em Novembro, atrapalharia? Que nada! Muitos lojistas destacaram que o brasileiro é mais sensível a descontos agressivos, contrário aos americanos que visam lançamentos e tendências. Por isso,  o décimo terceiro salário não é tido como um fator de peso na decisão. O que vale, no Brasil, são as facilidades como: preço mais baixo e condições de pagamento.

Por fim, a Black Friday iria salvar Setembro, que é visto como um mês fraco quando o assunto é vendas!

Os contras da mudança pra Setembro

E os contras? Vamos lá!

A Câmara Brasileira do Comércio Eletrônico (câmara-e.net), entidade de associados que representa 90% do faturamento do setor, diz, durante os debates sobre o assunto, que a alteração seria muito prejudicial para o e-commerce. Para isso, dois motivos foram citados:

  • A data ficaria diferente do restante do mundo, perdendo, assim, o apelo de marketing global;
  • O ainda não recebimento do décimo terceiro salário poderia prejudicar as vendas da Black Friday.

Outra questão que gerou desconforto foi a não adesão dos varejistas eletrônicos a ideia, o que dividiria a Black Friday brasileira em duas datas: varejo físico em Setembro, e o varejo online em Novembro.

Sobre isso, o principal receio é que os consumidores comprem de um lado e deixem o outro sem força. Seria uma bagunça, não?

Para ver mais sobre o assunto, assista ao vídeo abaixo!

Semana do Brasil

De 6 a 15 de Setembro de 2019 aconteceu a primeira Semana do Brasil. O grande objetivo era aquecer um mês historicamente fraco no varejo.

Semana do Brasil - Site Oficial

A semana de descontos é uma ação conjunta entre poder público e iniciativa privada, visando movimentar a economia e gerar oportunidades para lojistas e consumidores.

O Governo Federal apoiou e divulgou a Semana do Brasil. A iniciativa privada aproveitou para atrair consumidores oferecendo promoções exclusivas, produtos e serviços temáticos, ambientação de lojas físicas e virtuais, similar a uma Black Friday.

A proposta foi pensada para preencher a lacuna de uma data comercial no mês da independência do Brasil. Novamente, a inspiração é o comércio norte-americano, que costuma promover promoções na semana da independência, comemorada no dia quatro de julho.

O governo brasileiro divulgou que mais de 3.000 empresas participaram da Semana do Brasil. Além de grandes varejistas como Casas Brasil, Pontofrio e Fast Shop, a lista também inclui bancos, hotéis e companhias de telefonia. 

Apesar de ser apenas a primeira edição, a Semana do Brasil registrou crescimento nominal de 12% nas vendas do varejo, de acordo com balanço divulgado pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom).

Pesquisas indicam que empresários do varejo querem novamente a Semana do Brasil em 2020. Talvez essa nova campanha evolua como a Black Friday, que começou tímida em 2010 e foi crescendo a cada edição. Vamos aguardar para conferir.

A Black Friday deve mudar de data? Qual sua opinião? 

Por enquanto, a Black Friday continua sem alteração de data em 2019. A polêmica segue.

E você? Qual a sua opinião sobre a mudança de data da Black Friday para setembro?

Como você avalia a primeira edição da Semana do Brasil? Você aumentou suas vendas durante a campanha de setembro?

Deixe nos comentários abaixo e, também,  no nosso Facebook. Queremos te ouvir!

(Visited 32.230 times, 676 visits today)